Construir cidades passa pelo uso de espaços públicos

31 outubro 2018

Construir cidades passa pelo uso de espaços públicos

Pensar e promover o uso dos espaços públicos como forma de resgatar o sentimento de pertencimento da sociedade com as suas cidades. Esse foi o tema da apresentação do arquiteto e urbanista Leonardo Brawl, membro do coletivo independente Translab.urb, que fechou a manhã de palestras do Seminário Olhares Sobre a Cidade promovido pelo Sindicato dos Arquitetos no Estado do RS (Saergs). A palestra, ocorreu no Memorial Luiz Carlos Prestes, em Porto Alegre (RS), e foi mediada pela arquiteta e urbanista e também diretora do Saergs, Jéssica De Carli.

Para o palestrante, coletivos que atuam de forma independente, como o Translab.urb, que já atua há sete anos em Porto Alegre, colocam em xeque as questões habituais de abrir uma empresa, ter CNPJ ou fundar uma associação. “Temos que nos organizar profissionalmente e questionar as maneiras clássicas de organização. Isso também é usar a cidade como local de experimentação”, afirmou. Segundo o arquiteto e urbanista, há quatro setores principais de formação das nossas cidades: a sociedade civil, o setor privado, a academia e a administração pública.

Promover a intersecção entre eles, para Brawl, e articular uma produção distribuída das cidades, é a chave para uma organização coletiva e inteligente. “As conexões verticais e centralizadas se esgotaram, chegaram ao limite”, afirmou. Bem comum, pós-capitalismo, participação, transparência, plurinacionalidade, feminismos, tecnopolítica, municipalismo, sustentabilidade e cultura aberta são alguns dos conceitos que estão dentro dessa produção, segundo o arquiteto e urbanista, que ainda citou alguns dos trabalhos realizados pelo Translab.urb, como a Rua Para Pessoas, a Wikipraça e o Hackerativismo Urbano. “Nós quase não buscamos autorização para testar os espaços públicos. Queremos questionar: é público mesmo?”, destacou.

Foto: Vitorya Paulo

Foto: Vitorya Paulo

© SAERGS · Por Aldeia