SEARCH
Your address will show here 12 34 56 78
Locais
Porto Alegre foi palco de um debate com ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República, sobre a Copa, na tarde desta segunda-feira, 14, no auditório do SindBancários. Políticos, líderes sociais e sindicais acompanharam o debate – entre eles o diretor do SAERGS e vice-presidente da FNA, Cicero Alvarez. Ressaltando que atividades como essa são um marco para a democracia, o ministro Gilberto Carvalho divulgou os números que envolvem a Copa. Informou que, enquanto a União investiu R$ 8 bilhões nas obras dos estádios, aplicou R$ 825,3 bilhões em saúde e educação, desde 2010. Carvalho afirmou que a projeção de ganhos com o evento mundial gira em torno de R$ 30 bilhões. “Faremos uma forte campanha de divulgação para que as pessoas que queiram se manifestar o façam com base na verdade, em dados reais”, disse. CUT-RS 4 CORTE Após, o Secretário Geral do Governo do Estado e Coordenador do Gabinete Digital, Vinícius Wu, falou sobre os investimentos no Rio Grande do Sul, onde são esperados cerca de 207 mil turistas durante a Copa. “Precisamos valorizar eventos assim, pois esse contato entre governo e movimento sociais seria impossível alguns anos atrás. Aqui no RS, já realizamos um debate desses e em maio, será feito mais uma atividade para dar respostas para a sociedade”, contou. Demandas dos movimentos sociais Nas intervenções dos representantes dos movimentos sociais a intensificação do capitalismo, com trabalhadores explorados, intervenções da FIFA e diversas violações de direitos humanos, no processo de realização da Copa no país foram apontadas como o pior legado. Diversas críticas foram feitas principalmente em relação à remoção das famílias de locais afetados pelas obras em Porto Alegre. Nas manifestações dos líderes sindicais, o diretor do SAERGS e vice-presidente da FNA, Cicero Alvarez, afirmou que a falta de planejamento é um problema cultural: “As obras no Brasil, entre elas as realizadas para a Copa, carecem de uma visão maior que planeje a cidade para as pessoas, não apenas valores e estatísticas. O foco é a obra e o projeto torna-se secundário, gerando descontrole sobre as etapas e sobre o custo final. A recente aprovação da ampliação do RDC na Câmara dos Deputados piora isso. Dos 5.570 municípios do país, a maioria não conta com profissionais que tenham habilitação legal para planejamento urbano o que acaba prejudicando o desenvolvimento das cidades. Em relação a Porto Alegre, embora já aprovado nas Conferências Municipais da Cidade, o Concidades não foi criado e o CMDUA apresenta graves distorções. A representação proporcional por segmentos do Concidades não teria essas distorções de interesses”, declarou. O encontro foi organizado por representantes de organizações da sociedade civil, de entidades de classe e movimentos sociais. SINDBANCARIOS CORTE
Com informações da CUT-RS
FOTOS: CUT-RS E SINDBANCÁRIOS
0

Locais
A presidente do SAERGS, Andréa dos Santos, concedeu entrevista sobre a Lei de Assistência Técnica Gratuita. A reportagem explica como tem funcionado a legislação que, na teoria, permite que famílias com renda de até três salários mínimos contem com o auxílio de engenheiros e arquitetos para construir e reformar suas casas. Confira a reportagem completa publicada no Caderno Empresas & Negócios do Jornal do Comércio de 14 de abril clicando nas páginas abaixo. JC RS 16 04 completa (640x418)

JC RS 16 04

   
0