ATHIS proporciona valorização humana e cidadã

10 dezembro 2018

ATHIS proporciona valorização humana e cidadã

Levar moradia digna para as camadas mais carentes da população. É dessa forma que a arquiteta e urbanista Sabrina Maria Secchi Cerqueira sintetiza a sua atuação na profissão. Ela é uma das agraciadas no Prêmio Arquiteto e Urbanista do Ano 2018, na categoria Homenagem Especial: Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (ATHIS), promovido pelo Sindicato dos Arquitetos no Estado do Rio Grande do Sul (Saergs). A cerimônia de premiação ocorrerá nessa sexta-feira (14/12), no Memorial Luiz Carlos Prestes, em Porto Alegre (RS).

Natural de Veranópolis (RS) e graduada no curso de Arquitetura e Urbanismo pela Unisinos, em 2010, a profissional de 37 anos iniciou sua atuação na área da ATHIS em 2013, na Cooperativa Central dos Assentamentos do Rio Grande do Sul (COCEARGS), onde acompanha a execução das unidades habitacionais nos assentamentos da reforma agrária, através do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR). “No caso dos assentamentos, quando o indivíduo passa a ter uma moradia, se identifica como cidadão, se apropria do lote onde habita e gera a renda da família”, explica Sabrina sobre a importância da ATHIS.

Em sua trajetória, Sabrina destaca o projeto das unidades habitacionais construídas no assentamento Novo Horizonte, no município de Santa Margarida do Sul (RS), onde foram construídas 33 casas no período de 2014 a 2015 para as famílias assentadas da reforma agrária. As atividades contaram com a participação dos beneficiários tanto nas atividades de construção, quanto nas atividades sociais realizadas para melhorias dos lotes. Pela primeira vez, segundo a arquiteta e urbanista, os assentados foram contemplados com uma habitação completa com dois dormitórios, sala e cozinha, banheiro e área de serviço, adaptada para Pessoa Portadora de Deficiência (PPD). Para a profissional, receber a láurea é uma forma de valorizar as pessoas que atuam na área, que “precisam se esforçar para praticar a boa arquitetura em terrenos muitas vezes afastados dos centros urbanos, sem infraestrutura mínima e principalmente com recursos financeiros apertados”, conclui.

Foto: Rafael Stedille

© SAERGS · Por Aldeia