Ocupação 20 de Novembro terá captação de energia solar e reaproveitamento de água da chuva

04 novembro 2019

Ocupação 20 de Novembro terá captação de energia solar e reaproveitamento de água da chuva

Prestes a começar, a obra de revitalização do prédio da Ocupação 20 de Novembro, – localizado na Rua Barros Cassal, em Porto Alegre- incorporará sistemas de utilização de energia solar, de iluminação natural e de reaproveitamento de água da chuva. As alternativas sustentáveis foram propostas a partir de diagnóstico técnico e discutidas com os moradores, no âmbito do Morar Sustentável, iniciativa do Sindicato dos Arquitetos do Rio Grande do Sul (Saergs) por meio de patrocínio do CAU/RS. As propostas a serem incorporadas no plano-base de revitalização do espaço foram debatidas com lideranças e famílias moradoras na manhã deste domingo (3/11) e detalhadas pelo arquiteto e urbanista Evandro Medeiros, responsável técnico pelos projetos complementares das tecnologias escolhidas a partir de diagnóstico realizado pelo professor Márcio D Ávila. “Estamos trazendo uma proposta que será avaliada pelos moradores de forma a oferecermos opções sustentáveis que sejam importantes para eles”, pontuou o profissional. Construída para ser um hospital, a edificação será adaptada para moradias seguindo projeto base do escritório gaúcho Ah! Arquitetura Humana.

A expectativa dos moradores é de que os recursos para iniciar o trabalho – aportados e já aprovados no Programa Minha Casa Minha Vida Entidades – sejam liberados em breve. “Estamos a um passo de começar a obra. A parceria com o Saergs e com toda a equipe veio em um momento fundamental de agregar dentro da proposta que já tínhamos. Vínhamos há muito tempo idealizando a construção de um espaço referência e esse projeto vem somar para dar corpo para isso”, pontuou a moradora e presidente da Cooperativa de Trabalho e Habitação 20 de Novembro, Ceniriani Vargas da Silva. Ela lembra que a luta dessas famílias por direito à moradia digna iniciou-se há mais de dez anos e que é um movimento que partiu de um grupo de pessoas engajadas pela causa da moradia.

Durante a apresentação, Medeiros propôs alguns debates ao grupo, avaliando a instalação de placas solares que permitirão economia em energia elétrica por parte das famílias; o posicionamento de iluminação em áreas coletivas e o desvio e destino de águas pluviais coletadas do telhado.

O trabalho multidisciplinar recebeu interação dos próprios moradores, da presidente do Saergs, Maria Teresa Souza, e das arquitetas e urbanistas Karla Moroso, Paola Maia e Taiane Bedushi, que integram o time da Ah! Arquitetura Humana.

As proposições agradaram aos moradores, que fizeram sugestões e já se imaginam ocupando os espaços do prédio no dia-a-dia. Representando as cerca de 40 famílias que habitarão o espaço após a conclusão das reformas, o morador Ezequiel Morais frisou que os resultados dessas reuniões de trabalho sempre são reveladores. “A gente está construindo caminhos e se encontrando, porque o projeto faz com que a gente se encontre com nossas próprias contradições. Iremos fazer novas sugestões em alguns pontos, mas outros já estão acordados e dentro do que estávamos esperando. Alguns até além do esperado”.

Durante o encontro, a arquiteta e urbanista Karla Moroso conduziu dinâmica para discussão com os moradores de proposta de conteúdo e formato de cartilha que integra o Morar Sustentável e que será produzida de forma a orientar quanto à utilização das benfeitorias relacionadas aos projetos sustentáveis incorporados ao prédio. A publicação será lançada e entregue aos moradores durante as comemorações do Dia do Arquiteto e Urbanista, em dezembro de 2019, pelo Saergs.

Crédito: Carolina Jardine

Crédito: Carolina Jardine

Crédito: Carolina Jardine

 

 

© SAERGS · Por Aldeia